20 setembro 2007

Desenhando você

Tenho numa parede especial de casa, em carvão um retrato que meu pai fez de mim. Quando cresci, mandei trocar a moldura e carreguei-o comigo como um tesouro, uma herança do dom que herdei dele. Neste fim de semana, a TPM me pegou de surpreza, estava só...eu, um bloco de canson A3 e uma bela caixa de lápis de cor...em rabiscos simples e muito suaves seus traços começaram a surgir no papel, inacreditávelmente, sua fisionomia, seu olhar compenetrado, uma boca suave sem contorno, face rosada. Aos poucos, olhava o desenho nascer no papel e me admirava, não era eu, ele simplesmente brotava do papel. Mudei a cor do cachecol e do gorro...e no verso farei para você uma eterna dedicação de amor!

Um comentário:

Mr. Fart disse...

Coisa mais linda! Se eu não tivesse o bom hábito de visitar as postagens mais antigas de meus linkados, não teria visto esta preciosidade...
Abração!