07 maio 2010

“Escrever prosa é uma arte ingrata. Eu digo prosa fiada, como faz um cronista; não a prosa de um ficcionista, na qual este é levado meio a tapas pelas personagens e situações que, azar dele, criou porque quis. Com um prosador do cotidiano, a coisa fia mais fino. Senta-se ele diante de sua máquina, acende um cigarro, olha através da janela e busca fundo em sua imaginação um fato qualquer, de preferência colhido no noticiário matutino, ou da véspera, em que, com as suas artimanhas peculiares, possa injetar um sangue novo. Se nada houver, resta-lhe o recurso de olhar em torno e esperar que, através de um processo associativo, surja-lhe de repente a crônica, provinda dos fatos e feitos de sua vida emocionalmente despertados pela concentração.” (Vinícius de Moraes)

5 comentários:

D i c a disse...

Eu Li isso não faz nem duas semanas.

;*

Marcelo Mayer disse...

é isso que sempre falo e me taxam como pseudo-escritor. como fui no texto "como se ler um poema". quero ver alguém criticar ele.. mas não, já que é vinicius vão achar "cult"

mandou muito bem!

Paulo Braccini disse...

Vinícius ... sempre Vinícius ... mas concordo com o ponto de vista do Marcelo Mayer ... existem por aí molhões de outros q não obtiveram ainda o destaque de Vinícius, e que são tão bons quanto ...

bjux

;-)

pablorochapoesias.com disse...

Vinicius da show!! Um giganteee! Beleza de contribuição!!

Beijos!

Juan Moravagine Carneiro disse...

Gosto muito deste cara...

...Soube como poucos disfarçar à tristeza!